350-alumnos-de-medicina-se-examinaran-online-de-competencias-clinicas

5 dicas para manter as atividades médicas em um coworking durante a pandemia

As atividades médicas em consultórios e clínicas são essenciais para continuar promovendo saúde e bem-estar para a população. Afinal, pessoas que estejam passando por problemas sérios e que debilitem a sua imunidade podem estar mais suscetíveis a complicações da COVID-19.

Mas para manter o atendimento em consultórios e coworkings médicos e minimizar as chances de contaminação nesses ambientes, tanto dos profissionais quanto dos pacientes, é fundamental seguir algumas recomendações.

Vamos trazer 5 dicas importantes para esse fim e garantir a segurança de todos. Boa leitura!

1. Utilize os produtos corretos para descontaminação

Como o SARS-CoV-2 permanece por períodos prolongados nos ambientes — e pode até ser conduzido, segundo evidências científicas, por meio de sapatos —, é necessário garantir a higienização e descontaminação dos espaços para eliminar o vírus do ambiente.

Algumas dicas importantes para isso são:

  • reserve um local específico para esterilização de equipamentos;
  • tenha sempre disponíveis sabão líquido (de preferência germicida), papel toalha, dispenser com álcool a 70% e um pote com tampa e algodão cortado e seco dentro;
  • não se deve fazer varredura a seco do local, de modo a não dispersar partículas em suspensão;
  • limpe sempre da área menos contaminada para a mais contaminada;
  • desinfete os balcões e equipamentos com álcool 70% ou hipoclorito de sódio a 1% (observando as condições de diluição);
  • utilize materiais desinfetantes e antissépticos que tenham sido aprovados pelo Ministério da Saúde.

2. Utilize os EPIs de segurança

É fundamental que os médicos, durante suas atuações no coworking médico, estejam protegidos com os EPIs necessários e recomendados pela OMS e pelos órgãos reguladores. São eles:

  • máscara cirúrgica;
  • capote;
  • luvas;
  • proteção ocular.

3. Oriente os pacientes a chegarem próximo ao horário da consulta

Quanto menos pessoas estiverem presentes na sala de espera, menores serão as aglomerações locais. Com isso, as chances de contaminação dos pacientes e dos próprios profissionais do local diminuem.

Porém, muitas vezes as pessoas chegam bem mais cedo, acreditando que a antecipação fará com que sejam atendidas mais rapidamente. Por isso, peça para que seus pacientes consigam se programar, dentro do possível, para chegar próximo ao horário marcado.

Além disso, é importante garantir o distanciamento entre os presentes na sala de espera, bem como evitar o atraso nos seus atendimentos — novamente, dentro do possível —, para que não ocorra coincidência de horários.

4. Escolha salas em locais que protejam seus pacientes

Quanto menos seus pacientes puderem se expor, melhor para você, pacientes e todos os envolvidos no coworking médico. Por isso, optar por localizações privilegiadas, que tenham diversas opções de transporte público, minimiza as chances de que essas pessoas transitem mais pelos locais e, como consequência, aumentem a exposição ao coronavírus.

Uma opção é escolher salas na região central. Esses locais recebem trem, ônibus e metrô de toda a região metropolitana. Outra opção é em localidades próximas ao seu público-alvo, mas que estejam também perto dos principais meios de transporte.

5. Tome todas as medidas de segurança necessárias

Além de tudo que listamos acima, algumas medidas de segurança são fundamentais para evitar problemas que possam comprometer a sua saúde e a dos demais presentes no ambiente de coworking médico. São elas:

  • disponibilize álcool em gel na sala de espera e dentro do consultório e verifique se os vasilhames estão devidamente abastecidos;
  • oriente os pacientes a manterem a máscara e o distanciamento durante a consulta, de forma que a aproximação seja feita por você, no caso de exame clínico e quando necessário;
  • não permita a retirada das máscaras durante os atendimentos;
  • oriente seus pacientes sobre a retirada correta da máscara, auxiliando-os a evitar a contaminação quando retornarem para casa;
  • faça a higienização das superfícies após cada consulta e utilize materiais descartáveis para a cobertura das macas, descartando-as logo após o uso.

O atendimento em consultório, incluindo em coworkings médicos, precisa prezar pela segurança e pelo bem-estar de todos, principalmente em tempos de pandemia. Por isso, siga as nossas dicas e minimize os riscos na execução dessa atividade tão essencial neste momento.

Aproveite, compartilhe este conteúdo e leve-o aos seus colegas de profissão!

habitat_riohabitatcompravendaelocacao_image_809

5 dicas para otimizar o atendimento no seu consultório médico

Conquistar a confiança e a admiração do paciente por meio de um atendimento de qualidade é essencial na área da saúde. Além de indicar se a clínica está no caminho certo, essa satisfação impacta diretamente o retorno financeiro do empreendimento, determinando se o consultório conseguirá se manter no mercado.

No entanto, o que fazer para melhorar a gestão de consultórios e conquistar a lealdade do paciente?

Neste artigo, vamos mostrar o que você pode fazer para melhorar o atendimento no seu consultório médico e dar dicas para colocar isso em prática. Continue a leitura!

1. Invista na infraestrutura e na qualidade do ambiente

A infraestrutura do local onde o atendimento é realizado é um ponto-chave na experiência do cliente. A qualidade do local revela, ainda que de forma indireta, a preocupação do consultório com o bem-estar do paciente.

Para avaliar a qualidade da infraestrutura do seu consultório, você pode examinar se:

  • a sua clínica está localizada em uma área central e de fácil acesso;
  • o lugar é limpo, climatizado, organizado e bem iluminado;
  • o ambiente é seguro;
  • os equipamentos médicos são eficientes.

2. Diminua o tempo de espera da consulta

Outro ponto que impacta a experiência do paciente é o tempo na sala de espera. Ninguém gosta de esperar além da hora marcada para ser atendido, por isso, na agenda, considere o tempo médio de atendimento e procure ser pontual.

Também utilize a tecnologia a seu favor — o agendamento online evita que o paciente precise ir pessoalmente à clínica, reduzindo o tempo de espera na fila e evitando que ele fique esperando na linha telefônica. Além disso, essa medida possibilita que as consultas sejam agendadas em qualquer horário do dia.

3. Ofereça um atendimento personalizado

O tratamento personalizado é uma grande tendência na saúde. Além de humanizar o atendimento, esse tipo de tratamento possibilita diagnósticos e cuidados mais precisos, uma vez que o médico tem acesso a mais informações e o paciente se sente mais confortável e confiante em relação ao profissional da saúde.

O primeiro passo para oferecer um atendimento personalizado é conhecer o paciente. Isso pode acontecer por meio de perguntas que demonstrem preocupação e interesse na hora da consulta ou ainda por meio de tecnologias, como o prontuário eletrônico, que armazena o histórico médico do indivíduo — excluindo também a tradicional ficha de papel e aumentando a agilidade no atendimento.

4. Promova pesquisas de satisfação

Essas pesquisas consistem em perguntas — abertas ou para assinalar — que informam, por exemplo, o grau de satisfação do paciente quanto à agilidade na marcação de consultas, ao atendimento médico, à infraestrutura do local e ao tempo de espera.

As pesquisas também ajudam a entender quem é seu paciente, identificando melhor suas necessidades, as carências e quais eram suas expectativas em relação ao atendimento que foi oferecido. Além disso, reforçam a ideia de que a opinião do paciente é importante para o consultório.

5. Entenda como o coworking médico pode ajudar na gestão de consultórios

Os coworkings médicos são espaços compartilhados especializados em saúde. Eles podem ser utilizados pelos profissionais associados de acordo com a sua agenda de atendimento, mediante reserva, e representam uma excelente opção para melhorar a experiência do paciente.

Além disso, alguns outros dos benefícios do coworking médico são:

  • infraestrutura adequada e recepção;
  • otimização do tempo, visto que o espaço se encarrega de boa parte das questões administrativas;
  • economia de despesas, uma vez que o pagamento é proporcional à utilização do espaço;
  • mais flexibilidade na agenda;
  • networking e aumento no número de clientes, uma vez que um especialista acaba indicando o outro.

Devido a diversidade de profissionais e especialidades, o coworking médico também permite que o paciente concentre todos os cuidados de saúde em um único espaço. Além de ser vantajoso para o próprio indivíduo, isso faz com que o paciente fique mais próximo do profissional de saúde que o atendeu, ajudando na fidelização.

Portanto, você viu como é importante conhecer o paciente e como o tratamento personalizado é um grande diferencial na hora de conquistar a confiança e oferecer um atendimento no seu consultório. Entendeu também como a agilidade e a infraestrutura impactam a experiência do paciente e conheceu alguns benefícios do coworking na gestão de consultórios.

Agora, quer saber um pouco mais sobre esse espaço compartilhado? Então, confira agora mesmo nosso artigo sobre como funciona o coworking médico!

habitat_riohabitatcompravendaelocacao_image_89

Tempos de crise: entenda como o coworking médico pode ser a solução

O atual cenário, gerado pela pandemia causada pela COVID-19, trouxe um momento de muita incerteza para as mais diferentes áreas — e o setor médico, na parte de consultórios e clínicas, também sentiu os efeitos. Isso porque a quarentena afastou muitos pacientes de consultas de rotina que, assustados, evitam comparecer aos consultórios sem ser para emergências.

Com isso, os aluguéis começam a encarecer, e os valores médios mensais que você recebia antes começam a diminuir. Como resolver isso? Calma, pois é possível adaptar-se para minimizar gastos e continuar atuando de forma eficiente.

Uma opção, em tempos de crise, é contar com um coworking médico. Vamos falar mais sobre o tema para que você possa ver como ele poderá ser uma solução incrível para a sua situação. Boa leitura!

O que é um coworking médico?

O coworking médico é um espaço colaborativo que pode ser utilizado pelos mais diferentes profissionais da área da saúde. O local conta com uma estrutura de salas-padrão para atendimentos, que podem ser adaptadas para diversas especialidades. O profissional de saúde pode, assim, agendar seus pacientes para serem atendidos nesses locais. O valor do aluguel da sala é pago de acordo com o plano assinado com a empresa.

Esse conceito está inserido dentro de uma filosofia de economia compartilhada. Para muitos profissionais, principalmente iniciantes, é difícil começar com uma sala própria exclusiva, o que dificulta o início da carreira.

Quais as vantagens de um coworking médico?

Optar por um coworking médico pode ser o diferencial para conseguir manter suas atividades em um momento de crise. Vamos mostrar as principais vantagens desse modelo a seguir.

Redução de custos

Como os custos (locação, água, luz, telefone, internet) são divididos entre todos que utilizam o espaço ao longo do mês, o valor a ser pago no final do período é bem menor do que seria ao encarar essa jornada sozinho.

Networking

Você poderá ter contato com outros profissionais importantes no seu dia a dia, que poderão auxiliar não só com dicas para a sua carreira, mas também com indicações clínicas. Quer ver um exemplo?

Um cardiologista, ao avaliar o exame de sangue de um paciente, verifica que ele necessita de um acompanhamento com um endocrinologista para avaliação de um quadro de hiperglicemia. Se você atuar no coworking médico, poderá ser indicado pelo seu parceiro.

Melhor infraestrutura

As salas-padrão já dispõem dos melhores equipamentos para você que vai começar agora, de forma que não será necessário arcar com os custos de aquisição, ou, então, adquirir equipamentos e móveis usados para reduzi-los. Com isso, seu atendimento poderá ser otimizado, bem como o seu paciente poderá ser encantado com uma melhor infraestrutura.

Suporte administrativo

O próprio coworking entrega um suporte administrativo eficiente, de forma que você não precisará se preocupar com a contratação de recepcionistas ou gerenciar, sozinho, a sua agenda. Basta que você informe para o responsável os dias e os horários disponíveis para agendamento e eles realizarão todo o processo.

Além disso, em caso de dúvidas ou problemas, o time de suporte pode resolver as questões rapidamente, minimizando eventuais estresses que possam vir a ocorrer.

O coworking é uma boa opção apenas durante a crise?

A resposta é: não. Ele é uma opção para você que está começando agora e ainda não tem um volume alto de capital para adquirir os equipamentos necessários. Além disso, nesse momento, é importante poder contar com o auxílio de outros profissionais mais experientes, que também atenderão no local e que poderão ensinar muitas coisas a você.

Outro ponto positivo para o uso dessa modalidade de locação é não precisar lidar com questões administrativas e, também, não deseja desperdiçar recursos com custos desnecessários

Além disso, se você apoia a economia colaborativa, sabe que o coworking é uma forma de permitir que outras pessoas que estejam começando no momento possam ter uma estrutura para iniciar suas clínicas futuramente, criando um ambiente de crescimento mútuo.

Pode ser indicado, também, para aqueles que estejam com o intuito de desacelerar o ritmo de atendimentos, mas ao mesmo tempo, não querem perder receita. Então, a redução de custos torna-se, assim, bem estratégica nessas situações.

O coworking é uma opção interessante, como vimos, para que os profissionais de saúde continuem atuando, sem maiores problemas, em tempos de crise. Portanto, considere essa opção e continue alavancando sua carreira, mesmo em um momento delicado.

Gostou deste conteúdo? Quer mais dicas importantes para a sua carreira? Siga nossos perfis no Facebook e no Instagram e confira nossas dicas diretamente em seu feed de notícias.

Closeup on medical doctor woman using calculator

Gestão de consultórios: 4 dicas para você alcançar resultados 

Administrar o próprio consultório, cuidando da agenda e das finanças e, ao mesmo tempo, oferecendo um atendimento de qualidade para os pacientes pode ser um grande desafio para os profissionais da saúde. Sobretudo em tempos de pandemia, em que o mercado, mais do que nunca, está vulnerável a fatores externos.

Afinal, em um ambiente competitivo como a área da saúde, de que forma devemos oferecer um bom atendimento e garantir que a clínica tenha um bom faturamento no final do mês?

Para tal, é muito importante investir em uma gestão de consultórios eficiente. Além disso, boas escolhas fazem toda a diferença para ganhar relevância em meio à concorrência.

Neste artigo, vamos dar dicas de gestão de consultório para você alcançar resultados mesmo em tempos difíceis. Continue a leitura!

As 4 dicas para a gestão de consultórios

1. Não misture contas pessoais com despesas da clínica

Uma das maiores vantagens de ter o próprio consultório é a liberdade que o empreendimento oferece, permitindo que o profissional controle, da forma como achar mais conveniente, o atendimento ao paciente e o modus operandi da empresa.

No entanto, isso não significa que seja uma boa ideia deixar que as finanças da clínica e da vida pessoal se misturem. É um erro interceptar o caixa da empresa para cobrir gastos pessoais, pois, além de bagunçar o controle financeiro da clínica, impedindo uma análise realista da posição dela no mercado, esse tipo de prática fará com que, ocasionalmente, o profissional precise tirar dinheiro da conta pessoal para cobrir os custos do consultório.

2. Invista em marketing

O marketing médico é uma boa forma de conseguir novos clientes — o que é importante, sobretudo em tempos de crise, em que o número habitual de consultas pode variar. Em geral, as estratégias de marketing médico consistem em entender o público-alvo e criar uma marca forte, fazendo com que os pacientes vejam seu nome como sinônimo de autoridade naquela especialidade.

Além disso, grande parte do público vem por meio da indicação de amigos e parentes. Por isso, para garantir que a sua clínica sobreviverá em um ambiente competitivo, é de suma importância fazer com que o paciente se sinta bem atendido.

3. Monitore a qualidade do atendimento

Além da qualidade técnica do atendimento, é importante oferecer uma experiência humanizada para o paciente, colocando-o como centro dos cuidados. E isso vai além do tratamento durante a consulta. Podemos citar como sinônimo de qualidade do atendimento:

  • o agendamento eficiente;
  • a pontualidade da clínica;
  • a agilidade na entrega dos exames;
  • o prontuário eletrônico que facilita o acesso às informações;
  • um ambiente adequado, limpo, climatizado e com boa localização.

4. Opte por um coworking médico

O coworking médico é uma boa forma de garantir uma infraestrutura adequada para o consultório. A modalidade consiste em ambientes compartilhados, especialmente projetados para profissionais da saúde, onde é possível agendar o espaço conforme a agenda.

Além de oferecer um espaço adequado, agradável e bem localizado e excluir a necessidade de investir em infraestrutura, o coworking cuida das questões administrativas da clínica, como a limpeza e a segurança, e oferece economia, pois o valor pago é proporcional ao uso.

Portanto, você viu como é importante manter as despesas da clínica separadas dos gastos pessoais, conferiu o impacto do marketing médico no desempenho da empresa e entendeu que o atendimento de qualidade vai além da hora da consulta. Além disso, você viu como o coworking médico pode ser uma excelente solução para a gestão de consultórios!

E aí, gostou do conteúdo? Quer saber mais sobre coworking médico? Então, entenda como os consultórios compartilhados funcionam. Confira!

vocesabecomofuncionamosconsultorioscompartilhadosvejaaqui

Você sabe como funcionam os consultórios compartilhados? Veja aqui!

Ter um consultório demanda uma série de responsabilidades para os médicos — um local equipado e preparado para realizar atendimentos pode incluir aluguel, salário de funcionários e outros custos mensais. Sendo assim, nem sempre é fácil manter um bom retorno financeiro com todas as despesas envolvidas em ter um espaço próprio.

Nesse contexto, uma solução que muitos médicos têm encontrado é a modalidade de coworking, ou seja, consultórios compartilhados. Ela consiste na existência de uma área comum que vários profissionais utilizam para o atendimento de seus pacientes, de acordo com a sua agenda de horários.

Se você ficou curioso para entender mais sobre o funcionamento desse tipo de consultório, continue a leitura do post!

Como funciona o coworking médico?

O uso de espaços de coworking tem sido cada vez mais comum em diversas áreas do mercado pela economia e pela praticidade que oferecem. Os consultórios compartilhados funcionam de maneira similar aos escritórios e às salas de outros nichos.

Assim, o ambiente é direcionado para aqueles que atuam na saúde e desejam inovar no atendimento aos pacientes. A estrutura é projetada com o objetivo de atender às necessidades das pessoas que usam o local, por isso, o espaço conta com recepção, secretária, banheiros e outros recursos que facilitam o trabalho no dia a dia.

Existem diversos benefícios em optar pelo coworking médico, como a escolha de uma boa localização, a redução de custos administrativos e a flexibilidade.

Quais são os formatos de aluguel?

É possível encontrar diferentes formatos de aluguel em consultórios compartilhados e é importante entender qual é a sua necessidade e quais objetivos pretende alcançar com essa modalidade.

Por exemplo, há locais em que o valor é cobrado de acordo com os horários do médico, isto é, ele pagará somente o período em que utilizará o espaço. Além disso, existem opções específicas que usam um contrato mensal como forma de acordo entre as partes.

O que analisar ao escolher um consultório compartilhado?

Para analisar qual consultório compartilhado é mais conveniente para as suas necessidades, é preciso considerar alguns pontos que fazem toda a diferença nos resultados que você observará ao utilizar o serviço. Confira quais são eles:

  • infraestrutura oferecida;
  • custos;
  • regulamentação do local;
  • localização.

Esses são alguns fatores que influenciam um bom atendimento ao paciente e, também, são importantes para não gerar prejuízos ao médico. Portanto, antes de escolher qual é o espaço ideal, procure conhecer mais sobre tais aspectos.

Os consultórios compartilhados são uma nova modalidade de atendimento aos pacientes, já que não demandam um local fixo para fazê-lo. Assim, os custos necessários para manter as despesas de um ambiente próprio podem ser direcionados a outras áreas de sua carreira. O coworking médico é indicado, principalmente, para aqueles que estão iniciando e não contam com um número alto de pacientes, não dispondo de recursos financeiros para custear um espaço.

Esperamos que essas informações sobre consultórios compartilhados tenham sido úteis para aumentar seu conhecimento sobre como funcionam os coworkings médicos.

Conheça nosso site para entender como a Habitat Consultórios pode ajudar você a encontrar o local ideal para atendimento aos pacientes!

Você sabe como funcionam os consultórios compartilhados? Veja aqui!

Ter um consultório demanda uma série de responsabilidades para os médicos — um local equipado e preparado para realizar atendimentos pode incluir aluguel, salário de funcionários e outros custos mensais. Sendo assim, nem sempre é fácil manter um bom retorno financeiro com todas as despesas envolvidas em ter um espaço próprio.

Nesse contexto, uma solução que muitos médicos têm encontrado é a modalidade de coworking, ou seja, consultórios compartilhados. Ela consiste na existência de uma área comum que vários profissionais utilizam para o atendimento de seus pacientes, de acordo com a sua agenda de horários.

Se você ficou curioso para entender mais sobre o funcionamento desse tipo de consultório, continue a leitura do post!

Como funciona o coworking médico?

O uso de espaços de coworking tem sido cada vez mais comum em diversas áreas do mercado pela economia e pela praticidade que oferecem. Os consultórios compartilhados funcionam de maneira similar aos escritórios e às salas de outros nichos.

Assim, o ambiente é direcionado para aqueles que atuam na saúde e desejam inovar no atendimento aos pacientes. A estrutura é projetada com o objetivo de atender às necessidades das pessoas que usam o local, por isso, o espaço conta com recepção, secretária, banheiros e outros recursos que facilitam o trabalho no dia a dia.

Existem diversos benefícios em optar pelo coworking médico, como a escolha de uma boa localização, a redução de custos administrativos e a flexibilidade.

Quais são os formatos de aluguel?

É possível encontrar diferentes formatos de aluguel em consultórios compartilhados e é importante entender qual é a sua necessidade e quais objetivos pretende alcançar com essa modalidade.

Por exemplo, há locais em que o valor é cobrado de acordo com os horários do médico, isto é, ele pagará somente o período em que utilizará o espaço. Além disso, existem opções específicas que usam um contrato mensal como forma de acordo entre as partes.

O que analisar ao escolher um consultório compartilhado?

Para analisar qual consultório compartilhado é mais conveniente para as suas necessidades, é preciso considerar alguns pontos que fazem toda a diferença nos resultados que você observará ao utilizar o serviço. Confira quais são eles:

  • infraestrutura oferecida;
  • custos;
  • regulamentação do local;
  • localização.

Esses são alguns fatores que influenciam um bom atendimento ao paciente e, também, são importantes para não gerar prejuízos ao médico. Portanto, antes de escolher qual é o espaço ideal, procure conhecer mais sobre tais aspectos.

Os consultórios compartilhados são uma nova modalidade de atendimento aos pacientes, já que não demandam um local fixo para fazê-lo. Assim, os custos necessários para manter as despesas de um ambiente próprio podem ser direcionados a outras áreas de sua carreira. O coworking médico é indicado, principalmente, para aqueles que estão iniciando e não contam com um número alto de pacientes, não dispondo de recursos financeiros para custear um espaço.

Esperamos que essas informações sobre consultórios compartilhados tenham sido úteis para aumentar seu conhecimento sobre como funcionam os coworkings médicos.

Conheça nosso site para entender como a Habitat Consultórios pode ajudar você a encontrar o local ideal para atendimento aos pacientes!

conhecaosprincipaisindicadoresdedesempenhonaareadasaude

Conheça os principais indicadores de desempenho na área da saúde

Os indicadores de desempenho são ferramentas que ajudam a instituição a avaliar suas métricas, mapeando a saúde do negócio. Eles oferecem parâmetros mais seguros na hora de saber se o empreendimento está no caminho certo e ajudam a traçar novas estratégias para alcançar os objetivos da instituição. 

Também chamados de Key Performance Indicators (KPIs), os indicadores são de suma importância no campo da saúde, ajudando profissionais a terem um olhar pautado em dados quantitativos, permitindo uma análise além do feeling e, consequentemente, ajudando clínicas e hospitais a alcançarem resultados melhores. 

Neste artigo, vamos explicar melhor a importância dos indicadores de desempenho na área da saúde e mostrar alguns dos mais importantes. Quer saber mais? Continue lendo!

Entenda a importância dos indicadores de desempenho na área da saúde

Os indicadores (ou KPIs) atuam identificando os pontos fortes e fracos da instituição de saúde. Por meio de uma análise sistemática, eles medem o índice de desempenho de determinada ação implementada. Na prática, são eles que dizem o quanto determinada estratégia traz (ou não) benefícios para a clínica. 

Dessa forma, os indicadores de desempenho na área da saúde ajudam a analisar, de forma metódica, as métricas da instituição — se a aplicação de recursos é eficiente, se a qualidade do serviço prestado é satisfatória, se o resultado financeiro é condizente com o investimento empregado etc. 

Essa avaliação de desempenho ajuda na tomada de decisão, dando um embasamento mais preciso na hora de traçar novas estratégias, instruindo onde a clínica deve concentrar seus esforços, promovendo melhorias contínuas e, consequentemente, garantindo resultados melhores. 

Os indicadores de desempenho podem ser separados em dois grupos: índices de conquistas de saúde e de retornos financeiros. Confira, abaixo, alguns exemplos e veja como eles se relacionam com a sua clínica!

Descubra quais são os indicadores relacionados às conquistas de saúde

Taxa de satisfação dos clientes

Saber o grau de satisfação dos clientes é essencial para descobrir se a clínica está no caminho certo. Uma clínica que, por exemplo, oferece resultados insatisfatórios ou tem um atendimento ruim, tem grandes chances de perder clientes e sofrer impactos financeiros negativos. Em longo ou médio prazo, pode até fechar as portas.

Além do atendimento e da qualificação dos profissionais, a infraestrutura e a localização do empreendimento também são fatores que podem levar à insatisfação dos clientes. Lugares afastados ou de difícil acesso, ou, ainda, pequenos, sem ventilação adequada, resultam em uma má experiência.

Outras causas relacionadas, que também podem ser tomadas como indicadores de desempenho, são:

  • alto tempo de espera;
  • má higienização do ambiente; 
  • equipamentos obsoletos, pouco eficientes ou, ainda, a falta de equipamentos;
  • má organização no agendamento. 

Para medirem o índice de satisfação dos clientes, algumas instituições fazem uma pesquisa de opinião, sugerindo aos pacientes que preencham um formulário na recepção, avaliando o atendimento e deixando críticas e sugestões. Esse tipo de pesquisa também pode ser feito por meio eletrônico, mediante e-mail e mensagens eletrônicas ou, ainda, por meio do aplicativo da clínica, caso haja um.

Uma forma quantitativa de medir o índice de satisfação dos clientes, obtendo resultados mensuráveis, é por meio do Net Promoter Score (NPS). Aplicado à área da saúde, o método calcula a taxa de pacientes que estão dispostos a recomendarem a clínica e correlaciona essa informação com o índice de satisfação dos clientes. O método pode ser aplicado tanto por meio da pesquisa de satisfação tradicional quanto por meios eletrônicos. 

Quantidade de retorno

Medir a taxa de retorno dos pacientes é outra forma de verificar a satisfação do cliente sobre o serviço prestado. A retenção e a fidelização do usuário indicam que a clínica está indo pelo caminho certo. Por outro lado, o não retorno ou a interrupção de tratamentos podem indicar a necessidade de rever os processos internos da instituição. 

Para medir o índice de retorno, é importante manter um cadastro de pacientes. Softwares especializados, ou, ainda, um programa de Excel podem averiguar o índice de retorno no histórico e elaborar gráficos que mostram, por exemplo, o número de pacientes que retornaram para dar continuidade ao tratamento, que voltaram à clínica buscando outro tipo de serviço e/ou especialidade ou, ainda, que nunca retornaram. 

Número de novos pacientes

O número de novos pacientes também é um importante indicador de desempenho. Para verificá-lo, é preciso levantar o número de novos clientes em um determinado período de tempo (um mês, por exemplo). O ideal é que o índice aumente com o passar do tempo. Caso a taxa de novos clientes seja decrescente, é preciso investigar. 

Quantidade de pacientes que não comparecem às consultas

O cancelamento da consulta, sobretudo de última hora, costuma ser um problema para a clínica. Caso a instituição não consiga encaixar outra consulta no horário, além de comprometer a agenda, a prestadora de serviços também perde os recursos que mobilizou para aquele atendimento, como profissionais e equipamentos.

O alto índice de absenteísmo gera um impacto financeiro negativo na clínica, além de atrapalhar o fluxo de atendimento. Para evitá-lo, com o uso da tecnologia, algumas medidas podem ser tomadas — por exemplo, a utilização de mensagens para enviar lembretes aos pacientes e confirmar previamente as consultas. 

Confira os indicadores relativos aos retornos financeiros

Faturamento da clínica

O faturamento da clínica é um dos maiores indicadores de desempenho na área da saúde. Ele é o resultado de várias ações e estratégias e é, basicamente, o que define se a clínica está apta a continuar operando. Esse indicador ajuda a encontrar pontos nos quais os recursos podem ser mal empregados, ajudando na diminuição de custos.

Retorno sobre o Investimento

O Retorno sobre o Investimento (ROI) busca mensurar a eficiência de determinado investimento, relacionando-o à quantidade de dinheiro que retornou para a instituição de saúde, com base nos recursos utilizados para esse fim. 

Por exemplo, se a clínica investe em publicidade, o valor que ela lucra com novos clientes, em curto e médio prazo, precisa ser maior que o dinheiro empregado na campanha de marketing. Ações que não geram retorno financeiro devem ser repensadas. 

O uso de espaços compartilhados é uma excelente forma de reduzir os custos de uma clínica de saúde. Além disso, a utilização desses espaços também contribui para a captação de novos clientes e ajuda a sanar problemas em relação à localização e à infraestrutura, auxiliando alguns indicadores de desempenho a melhorarem seus resultados. 

Assim, vimos como os indicadores de desempenho na área da saúde são importantes. Eles mensuram a qualidade da clínica, bem como analisam a sua saúde financeira, mostrando pontos fortes e fracos e dando suporte para traçar novas estratégias. Também entendemos como o uso de espaços compartilhados pode ser uma boa opção para melhorar os indicadores de desempenho. 

E aí? Gostou do nosso conteúdo? Então, compartilhe-o nas redes sociais e ajude a informar mais profissionais da saúde sobre a importância dos KPIs! 

comocalcularoretornodeinvestimentoaomontarumaclinica

Como calcular o retorno de investimento ao montar uma clínica

Donos de consultórios e demais espaços de saúde têm muito a fazer antes de montar uma clínica e oferecer seus serviços para o público. O plano de negócios, a criação de estratégias para atrair pacientes e as aplicações financeiras iniciais são apenas alguns exemplos disso. Nessa hora, o conhecimento sobre ROI pode ser de grande ajuda.

Sendo a sigla de Retorno Sobre o Investimento em português, o ROI é uma métrica que auxilia gestores e donos de empreendimentos de todos os setores a saberem se os investimentos que serão ou já foram feitos compensam ou não. Isso vale tanto para quem deseja saber se é uma boa ideia montar uma clínica quanto para quem já possui uma.

Portanto, se você deseja saber como o ROI pode ser útil para você, continue lendo este artigo!

Do que se trata o retorno do investimento ao montar uma clínica médica?

Custos iniciais, despesas e investimentos são inevitáveis para quem visa a montar uma clínica médica. Desde a burocracia até a manutenção do negócio, são exigidas boas práticas de organização financeira e otimização de recursos. Uma das formas de garantir isso é por meio do ROI.

Para quem deseja montar uma clínica, o ROI serve para a previsão do retorno do investimento inicial a ser feito. Por meio dele, será possível calcular o quanto será preciso investir e qual retorno deve ser obtido para o sucesso do empreendimento e para que haja uma boa rentabilidade. No entanto, como efetuar esse cálculo na prática? Confira!

Cálculo

A fórmula do cálculo do ROI é: (lucro do negócio – investimento inicial)/investimento inicial. Isso significa que é fundamental guardar todos os recibos envolvidos em gastos, despesas e custos com a montagem da clínica — que, somados, culminarão no investimento inicial.

Em seguida, é preciso ter acesso aos lucros esperados ou obtidos. Ao aplicar o valor na fórmula, você conhecerá o retorno de seu investimento.

Vale a pena investir em montar uma clínica nova?

É inegável que são muitos os custos envolvidos na montagem de uma clínica nova. Imagine dois profissionais que visam montar uma clínica, são especialistas no mesmo assunto e atendem a mesma quantidade de clientes. Agora, visualize os cálculos do ROI em termos de lucro e investimento inicial que eles terão em seus negócios.

Enquanto aquele que visa abrir seu próprio consultório particular terá que arcar, sozinho, com despesas de compra de equipamentos, marketing e decoração, salário dos funcionários e aluguel do espaço, o que apostar em um modelo de consultório baseado em coworking, por exemplo, dividirá esses custos sem prejudicar a privacidade de seu atendimento e a qualidade de seus serviços.

Outro ponto a ser levado em consideração é a demora para abrir uma empresa do zero. Em um momento econômico como o atual, é sempre recomendado que haja otimização dos recursos disponíveis — inclusive do tempo —, utilizando-os para aprimorar a divulgação do negócio, o relacionamento com os pacientes e a organização de processos internos. Para isso, uma boa alternativa é contar com consultórios compartilhados.

Consultórios compartilhados ou coworking

Após calcular o ROI de sua clínica, é importante saber que esse investimento pode ser direcionado para outras áreas do negócio. Ao maximizar o uso dos recursos disponíveis para montar uma clínica — por meio dos consultórios compartilhados —, é possível maximizar também os seus resultados.

Os consultórios compartilhados atuam como espaços de coworking voltados para profissionais da área médica, de bem-estar e de saúde. Eles são mais do que apenas estruturas, mas também representam ambientes planejados e personalizados para o desenvolvimento pessoal, o atendimento adequado dos clientes e o bom andamento do negócio.

Ou seja, além de serem uma opção “mais em conta” para quem deseja iniciar seu próprio empreendimento, oferecem alavancagem dos resultados e um ROI mais bem aplicado.

Se você gostou de conhecer os consultórios compartilhados como uma forma de otimizar o ROI ao montar uma clínica, não deixe de compartilhar este conteúdo nas suas redes sociais e de espalhar esse conhecimento. Boa sorte em seu negócio!

saibacomoconseguirmaispacientespormeiodomarketingparamedicos

Saiba como conseguir mais pacientes por meio do marketing para médicos

A era da informação trouxe consigo inúmeras possibilidades para os profissionais das mais variadas áreas de atuação. A saúde é uma delas e é a grande beneficiada pelas novas estratégias de marketing para médicos.

Com o número crescente de médicos no país — só em 2018, esses valores chegavam a 2,18 médicos por mil habitantes —, é preciso se reinventar para se diferenciar e, assim, captar e fidelizar seus pacientes.

Neste post, vamos falar um pouco mais sobre o que é e sobre como funciona o marketing para médicos no Brasil, bem como acerca de quais são as melhores estratégias e de como implementá-las com sucesso. Continue a leitura!

O que é o marketing para médicos e quais são os seus 3 pilares?

Quando uma pessoa está doente, o que ela faz? Procura por um médico, correto? Com essa ideia em mente, vamos analisar algumas possibilidades para que esse paciente em potencial possa encontrar a melhor solução para o seu problema. Ele pode:

  • procurar por seus sintomas em redes de pesquisa online;
  • buscar um médico pela lista de seu plano de saúde; ou
  • pedir indicações para amigos ou familiares.

Nessa última opção, muito provavelmente, esse paciente está à procura de um médico — particular, com atendimento de qualidade e que ofereça a melhor solução para o seu problema de saúde, da forma mais rápida e eficaz.

No entanto, como fazer para que esse paciente encontre o seu consultório? É nesse ponto que o marketing para médicos entra, atuando como uma ferramenta poderosa capaz de atrair e fidelizar pacientes — novos e antigos.

Por definição, podemos explicar marketing como toda ação que você executa com a finalidade de comunicar, criar e entregar valor para um cliente, nesse caso, um paciente. Não se trata apenas de divulgar o seu trabalho, mas de zelar por toda a experiência do paciente.

Para utilizar essa ferramenta da melhor forma possível, podemos dividi-la em 3 pilares fundamentais, vamos falar sobre eles?

1. Atendimento

Quando falamos em atendimento, falamos sobre tudo o que envolve essa etapa: a marcação de consulta, a recepção do consultório, o atendimento do médico, o pós-consulta e, até mesmo, os possíveis diferenciais de interação com esse paciente fora da clínica.

2. Divulgação

A divulgação abrange toda a estratégia de marketing e de posicionamento de marca e a melhor forma de abordar cada tipo de paciente. Isso também permite identificar quais são as melhores opções de atendimento, que acabamos de falar, e do próximo pilar.

3. Preço

Precificar seu atendimento da forma correta é fundamental não apenas para conseguir mais pacientes, mas também para não ter problemas com o fluxo de caixa da sua clínica, do consultório e do seu trabalho de modo geral.

Vale ressaltar a importância de sempre seguir as normas estabelecidas pelo CFM, como: não publicar fotos de “antes e depois” de pacientes, ter seu nome envolvido em propaganda enganosa e consultar, diagnosticar ou prescrever a distância.

Como conseguir mais pacientes utilizando o marketing para médicos?

Como vimos no início deste post, o número de médicos no país está aumentando a cada ano e, quanto mais médicos se formarem, mais clínicas e consultórios serão abertos — o que aumenta também a concorrência.

No entanto, algumas dicas poderão ajudar a reverter esse cenário a seu favor e é sobre elas que vamos falar a seguir. Confira!

Saiba quem são seus pacientes

O primeiro passo de qualquer estratégia de marketing é saber com quem você vai falar. Dificilmente, uma pessoa que comumente busca por atendimento em uma clínica popular vai contratar os serviços de um médico particular que cobre 7, 10 vezes mais o valor habitual.

Com isso em mente, analise quem são seus pacientes (pessoas às quais você comumente atende ou gostaria de atender) e registre todas as informações possíveis sobre elas: idade, grau de instrução, onde moram, o que buscam etc. Quanto mais detalhadas forem essas anotações, melhores serão seus resultados.

Crie uma marca profissional poderosa

Ter uma identidade clara e forte na mente das pessoas é o segundo passo dessa estratégia. Como você gostaria que as pessoas conhecessem o seu trabalho? O que você espera que elas pensem ao ouvir seu nome?

Responda a essas perguntas e vá criando uma identidade própria, a sua marca profissional poderosa para que seu nome seja lembrado como uma referência em sua área de atuação. Isso nos leva ao próximo passo.

Demonstre autoridade no assunto

Mostre que você sabe do que está falando! Faça publicações educativas sobre a sua especialidade. Se você for generalista, fale sobre saúde e bem-estar de modo geral. O mais importante é produzir um conteúdo de qualidade com constância e consistência.

Ou seja, quanto mais você produz, maiores são as chances de ter esse conteúdo encontrado e, consequentemente, maiores serão as oportunidades de conquistar novos pacientes que já estarão propensos à fidelização por conhecer e confiar em seu trabalho antes mesmo da marcação de uma consulta.

Esteja nas redes sociais

Para que as dicas anteriores possam ser intensificadas, tenha a tecnologia como aliada! Nunca foi tão fácil conquistar pacientes, mas nunca foi tão fácil perdê-los em contrapartida. Para que isso não aconteça com você, manter também sua presença online é fundamental, embora não seja a única opção.

Duvida? Faça, então, uma pesquisa nas redes sociais e analise o perfil dos médicos mais conhecidos pelo público. Todos, sem exceção, têm algo em comum: são ativos no meio digital. E você, como está a sua presença online?

Tenha uma rede de indicação

Não poderíamos deixar de lado a boa e velha indicação, não é mesmo? É a mais antiga estratégia e que não falha na hora de produzir novas possibilidades de captação de pacientes.

Para isso, tenha uma rede de contato com bons médicos que complementem seu trabalho de alguma forma. Existe espaço para todos os profissionais que realmente se dedicam ao seu atendimento e aos cuidados com os seus pacientes. Essa informação nos leva a uma dica extra que pode intensificar esse networking. Veja a seguir!

Faça atendimentos em um coworking

Essa última dica é realmente poderosa e traz inúmeras vantagens para o médico, além da facilidade de networking, por exemplo. Você se lembra de que falamos sobre os 3 pilares do marketing para médicos?

Então, em relação ao atendimento, um coworking é um ponto positivo por ter profissionais qualificados na recepção, para marcação de consultas (dependendo do plano) etc. Além disso, muitos desses espaços têm suas próprias estratégias de marketing, o que também influencia positivamente a sua própria divulgação.

Por último, com os custos reduzidos em termos de investimento para o médico que contrata um espaço de atendimento compartilhado, os valores cobrados com consultas podem diminuir ou ser direcionados para melhorias e para a personalização nos atendimentos.

Todas essas opções são partes integrantes do marketing para médicos e podem intensificar ainda mais a captação e a fidelização de novos pacientes, bem como a consolidação de seu trabalho no mercado e na mente das pessoas.

Gostou das dicas e quer saber mais sobre os principais benefícios do coworking para a área médica? Confira o post que fizemos sobre o assunto!

alugarconsultoriomedicovaleapena

Alugar consultório médico: vale a pena?

Muitos médicos sonham em ter um consultório. Além da independência, ele pode construir seu nome em meio aos pacientes e escolher seu público-alvo sem a interferência de chefes. No entanto, quem trabalha em grandes centros urbanos sabe como construir ou alugar consultório médico pode pesar nas despesas. 

Além de ter ou alugar um consultório, hoje, é também possível fazer parte de um coworking médico, em que você escolhe o local e paga pelos dias de uso. Mas qual será a alternativa mais benéfica para o profissional de saúde?

Neste post, você vai saber se vale mais a pena alugar um consultório médico ou optar pelo coworking. Confira!

O que é necessário considerar ao ter ou alugar um consultório médico?

Ter um consultório próprio é uma medida de liberdade do profissional. No entanto, é necessário considerar algumas despesas antes de alugar. Veja a seguir!

Recepção

A primeira pessoa que vai falar com o paciente não é o médico, mas, sim, o profissional da recepção. Ele é responsável por tirar as dúvidas tanto pessoalmente quanto por telefone e e-mail, por marcar consultas e por lidar com a organização dos compromissos diários no local. Portanto, você precisa considerar:

  • se a sala da recepção é espaçosa e confortável;
  • que a contratação de um profissional, de preferência com experiência em locais de saúde, é uma despesa indispensável para o funcionamento do consultório.

Reserva financeira

Além do aluguel, há também as contas de energia elétrica, água, internet e telefone, limpeza, investimento na infraestrutura do local, compra de materiais para o estoque, manutenção dos equipamentos médicos e, claro, o salário do profissional da recepção. Nos primeiros meses, é normal que o consultório não dê lucro, principalmente se você estiver em início de carreira. Portanto, ter uma reserva financeira para cobrir os momentos de sufoco é fundamental.

Documentação legal

Mesmo que você vá alugar, precisa conferir se a documentação local está de acordo com as exigências brasileiras — a verificação dos documentos, aliás, deve ser sua primeira medida com relação ao consultório. Você precisa estar em dia com: 

  • a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), já que a liberação de atendimento médico precisa ser deferida no Diário Oficial;
  • o Cadastro Nacional de Estabelecimento de Saúde (CNES);
  • a prefeitura, pois é ela que vai expedir o alvará de funcionamento.

Quais os diferenciais do coworking médico?

O profissional de saúde tem uma rotina muito intensa, por isso, precisa de soluções que tirem um pouco da sobrecarga administrativa das suas costas sem pesar no bolso. O coworking, solução que mudou a forma de trabalho de autônomos e startups, agora, aparece como uma alternativa viável também para médicos.

Locais colaborativos são empreendimentos em que você divide o espaço com outros profissionais. E, quando falamos da área médica, essa é uma forma de o profissional obter toda a infraestrutura necessária por um valor mais acessível. O médico escolhe o consultório, define os dias e os horários em que estará presente e monta um plano correspondente à sua agenda. A partir daí, precisa se preocupar apenas em oferecer o melhor tratamento aos seus pacientes.

Um coworking médico oferece:

  • acesso a diferentes unidades;
  • material descartável;
  • boa localização;
  • sala de espera;
  • recepcionista;
  • equipamento;
  • limpeza;
  • internet.

Alugar um consultório médico de maneira convencional foi uma solução viável por muito tempo, mas, hoje, o médico tem a oportunidade de exercer seu trabalho de maneira mais flexível e econômica. Além de diferentes locais para atendimento, o profissional ainda pode montar um plano e pagar apenas pelos dias em que trabalhar.

Se você ficou interessado em alugar consultório médico em um coworking, entre em contato com a Habitat Consultórios e tire todas as suas dúvidas!

Shopping Basket
WhatsApp chat